quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

ALGUNS NÚMEROS DE EMERGÊNCIA IMPORTANTÍSSIMOS NO FINAL DO VÍDEO

CRIATIVO, EFICAZ E MUITO IMPORTANTE PARA TODOS NÓS QUE IDOLATRAMOS O CELULAR.
video

JUIZ DETERMINA QUE OPERADORAS DE TELEFONIA DO BRASIL BLOQUEIEM WhatsApp

“Para quem ler essa matéria e duvidar que a moda não pega, antecipo uma coisa: se acham que isso não vai vigorar lembrem-se do BBOM, do Telex Free etc."

Um juiz de Teresina, no Piauí, determinou que operadoras de telefonia bloqueiem o acesso dos clientes ao WhatsApp. A informação foi publicada nesta quarta-feira, 25, pela Época e confirmada pelo UOL.
O responsável pela decisão é o juiz Luiz Moura Correia, da Central de Inquéritos da Comarca de Teresina. Em ofício vazado, ele ordena no ofício que uma operadora “suspenda temporariamente até o cumprimento da ordem judicial”, em até 24 horas e em todo o território nacional, o acesso aos serviços oferecidos pelo WhatsApp.
Alerta ainda que a empresa tem obrigação de "garantir a suspensão do tráfego de informações de coleta, armazenamento, guarda e tratamento de registros de dados pessoais ou de comunicações entre usuários do serviço e servidores da aplicação de trocada de mensagens multi-plataforma denominada Whatsapp, em que pelo menos um desses atos ocorra em território nacional”.
Como tudo corre em segredo de Justiça, não é possível saber quais são os problemas envolvendo o aplicativo. A decisão saiu em 11 de fevereiro e as operadoras receberam, no dia 19, um ofício do delegado Éverton Ferreira de Almeida Férrer, do Núcleo de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí.

No trecho do documento divulgado pela Época não é possível ver o nome da operadora, mas o Meio Bit afirma que ele foi enviado à Vivo. "Note que a ordem não cita a empresa nominalmente no texto, provavelmente só no cabeçalho, o que faz levantar a suspeita de que não só a Vivo recebeu o documento”, especulava o site que, segundo o UOL, acertou.

O Núcleo de Inteligência informou ao portal que a ordem é consequência de uma série de ocasiões em que o WhatsApp foi citado judicialmente mas ignorou a Justiça. "As referidas decisões tiveram início em 2013, mas até a presente data os responsáveis pelo Whatsapp não acataram as ordens judiciais. Portanto, um mandado judicial foi encaminhado aos provedores de infraestrutura (Backbones, ou seja, os serviços que conectam o Brasil à Internet) e aos provedores de conexão (operadoras de telefonia móvel, entre outras)", escreve o UOL, segundo o qual os problemas datam de 2013 e têm como base legal o Marco Civil da Internet.
FONTE: Por Redação Olhar Digital - em 25/02/2015 às 15h53

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

O PROJETO DE LEI DO PISO DOS AGENTES DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE JÁ ESTÁ NA CÂMARA

Há mais de 08 meses havíamos pleiteado o pagamento do piso ao Prefeito de São Gonçalo, mas só agora em 2015, a Prefeitura atendeu à solicitação do SINDAS, mas enviou o projeto de Lei para Câmara diferente do que havíamos proposto.         
Como o projeto de lei está em desacordo com os anseios da categoria, na manhã de ontem comparecemos em São Gonçalo do Amarante, para debater com todos os vereadores de situação e oposição, possíveis alterações no projeto encaminhado pelo Chefe do Executivo.
Durante a Sessão solicitamos ao Presidente da Câmara, que no final concedesse um espaço para o SINDAS fazer alguns esclarecimentos aos vereadores na defesa da categoria. Os esclarecimentos foram necessários, porque já havia iniciado uma discussão entono da emenda proposta pelo SINDAS, inclusive, já tinha vereador fazendo acusações infundadas ao prefeito Jaime Calado.
CLIQUE NO PLAY E OUÇA A SESSÃO COMPLETA

Fomos taxativos no nosso discurso e deixamos claro: “o que está em jogo é o interesse dos servidores e que não existe salvador da pátria porque o pagamento do piso foi solicitação do SINDAS, em negociação com Prefeito Jaime calado em 2014.”
IMAGENS: CARLOS ALEXANDRE
PEDIDO AO PREFEITO EM 2014
OFÍCIO AOS VEREADORES ONTEM
PROJETO DE LEI QUE O SINDAS PROPOS EM 2014.

PREFEITURA NÃO PAGA VALE JUNTO COM SALARIO E EFETUARÁ O PAGAMENTO EM FOLHA COMPLEMENTAR

Com pagamento dos servidores nesse primeiro dia, não foi depositado o valor correspondente ao auxilio transporte de todos os servidores da Prefeitura de Natal.
A gestão Nos informou que foi um erro no sistema de computador que nunca erra pra beneficiar o servidor, e que será pago por folha complementar o mais rápido possível.
No nosso ponto de vista não foi erro algum, o dinheiro dos vales foi usado para pagar a folha de fevereiro, porque e devem ter usados nossos salarios para pagar as bandas do carnaval.
A orientação aos associados do SINDAS, é que evitem faltar ao trabalho, mas se faltar por causa do auxilio transporte ou chegar atrasado, comunique ao supervisor ou diretor da unidade.
Não seremos ser doidos de orientar os agentes a ficar em casa, porque mesmo diante das dificuldades tem processo de demissão de agentes, que por orientação equivocada de ex-diretores do SINDAS não forma trabalhar durante 2 meses quando os cartões de passagem não eram recarregados, e por isso,  reponde processos administrativospassível de demissão por abandono de emprego.
DE NATAL.

ASSEMBLEIA DO INDICATIVO DE GREVE DE NATAL DIA 04-03-2015

O presidente do Sindicato dos Agentes de Saúde do Estado do Rio Grande no Norte- SINDAS/RN, em conformidade com as disposições estatutárias, pelo presente Edital, convoca todos os agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias do Município de Natal, para participarem de uma assembleia campal deliberativa, a ser realizada em Natal, no dia 04/03/2015, em frente à Sede da Prefeitura, situada na Avenida Ulisses Caldas, 81 - Cidade Alta, Natal - RN, 59025-090. A assembleia será realizada às 9h:00min, com a presença de 2/3(dois terços) dos sindicalizados ou não; em segunda convocação, às 09h:20min, com a presença de 1/3(um terço) e em terceira e última convocação, às 9h:40min, com qualquer número de presentes, para deliberar sobre os pontos de pauta abaixo elencados.

PAUTA DA ASSEMBLEIA

1-        Votação da pauta que justifica o indicativo de greve, sendo composta dos seguintes pontos:

A-Falta de condições de trabalho para ACE e ACS;
B-Falta de fardamento completo na periodicidade necessária (calçados, calças, camisetas e chapéu de aba larga) para ACE e ACS;
C-Falta de material de trabalho;
D-Falta de bloqueadores solar corporal e labial FPS-50 na quantidade e periodicidade necessária;
E-Não realização de exames de saúde (dermatológico para ACE e ACS e de sangue para os ACE);
F-Não pagamento e evolução da matriz salarial do PCCV objeto da Lei nº 120/2010;
G-Não pagamento da data base prevista no PCCV;
H-Não pagamento das horas extras trabalhadas na campanha de vacinação antirrábica;
I-Não pagamento do retroativo da GIDAS previsto na Lei Promulgada nº 401/2015;
J-Não reajuste do auxílio alimentação;
K-Não reajuste da Gratificação de Incentivo de Desempenho dos agentes de saúde objeto da Lei 143/2014;
L-Não pagamento do PMAQ aos ACS;
M-Não pagamento do terço de férias de acordo com a Constituição Federal;
N-Não pagamento do incentivo de final de anos aos agentes comunitários, previsto no Art. 1º, parágrafo único da Portaria Ministerial nº 314/2014.

2-       Votação do indicativo de greve para o dia 04 de março de 2015.

           Natal, 24 de fevereiro de 2015.

Cosmo Mariz de Souza Medeiros
PRESIDENTE


OBS: A assembleia será dia 04/03/2015, porque hoje será a reunião com novo Secretário de Saúde de Natal, na qual daremos ciência do indicativo de greve e da pauta.
Como o Secretário assumiu recentemente não poderíamos fazer a reunião hoje e antes de um prazo razoável para respostas da pauta, já fazermos uma assembleia para votar indicativo de greve.
Aprovado o indicativo de greve dia 04/03/2015, na segunda feira dia 09/03/2015 já poderemos deflagrar a greve por tempo indeterminado.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

APROVADOS NO CONCURSO DE AGENTES DE SAÚDE DE NATAL SERÃO CHAMADOS PARA ASSUMIR O CARGO


IDA AO TJRN
Após o SINDAS se empenhar na defesa dos interesses dos aprovados no concurso de agentes de Natal, as coisas passaram a fluir e agora foi anunciado na imprensa pelo Secretário de Saúde, que os aprovados serão convocados.
No dia 09 de fevereiro já havíamos previsto essa possibilidade, o que pode ser conferido na matéria do link 1-  logo abaixo.
Agora é torcer que dentro dos próximos 15 dias sejam tomadas as medidas necessárias, para a nomeação de mais uma leva de associados do SINDAS/RN, pelos quais iremos continuar lutando.
Só relembrando:
Antes da celebração do acordo entre Prefeitura e MP, nos reunimos com Desembargador responsável pelo Processo 0810651-73.2014.8.20.5001, e o convencemos que o concurso deveria seguir e os problemas dos portadores de deficiência ficar pra depois.
 Afirmamos que no caso do concurso de Natal o interesse público se sobrepõe ao interesse de um grupo de pessoas com deficiência, porque a população está desassistida de agentes e existe a iminência de epidemia de Dengue e chicungunha em Natal.
Agora com a graça de Deus veio a confirmação através do Secretário de Saúde, todos serão convocados a assumir os cargos.

CLIQUE NOS LINKS ABAIXO E VEJA MATÉRIAS RELACIONADAS

domingo, 22 de fevereiro de 2015

APÓS MAIS MÉDICO POPULAÇÃO AFIRMA: “AGORA A GENTE CONVERSA COM O MÉDICO COMO SE FOSSE UM AMIGO”

Bem na divisa do estado de Rondônia com a Bolívia, a mais de 600 quilômetros da capital, Porto Velho, está São Francisco do Guaporé, cidade de 18 mil habitantes. Até bem pouco tempo, quando crianças, adultos e idosos ficavam doentes, o jeito era chamar a mãe, o pai, parentes, e buscar ajuda para poder ir a cidades vizinhas. "Médico era coisa difícil."

Quem conta é a dona de casa Edite Rodrigues. Ela esteve na capital paulista levar seu testemunho ao simpósio Programa Mais Médicos: Perspectivas e opiniões, que o Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) realizou no último dia 11.

Conforme relatou, em sua fala simples, antes do programa federal o atendimento no posto de saúde era muito precário. Até havia equipe de atenção à saúde da família, mas faltava justamente o médico, profissional que, além de diagnosticar doenças, ainda coordena a estratégia de trabalho na localidade.

E quando aparecia algum por lá, como ela destaca, mal conseguia conversar com as pessoas doentes e seus familiares, principalmente com aquelas mais humildes, de baixa escolaridade ou analfabetas. "Hoje, o médico vai na comunidade, vai visitar, ver criança nascer, atender criança de baixo peso. A gente consegue consulta até para micose; e conversa com ele como se fosse amigo. Antes não, ele era uma autoridade máxima."

No distrito de Albuquerque, zona rural de Corumbá (MT), também há novos vínculos sendo formados entre profissionais de saúde e a população. "Temos médico todo dia, e não mais uma vez por semana. Antes, quando a gente ia (ao posto), não sabia se ia ser atendido", conta a dona de casa Nilza de Souza. "Minha mãe é cadeirante; o médico vai atender em casa. Agora temos duas pessoas em uma: um médico e um amigo. Então só tenho a agradecer."

Os laços, conforme o agente comunitário de saúde Joilson da Silva, da mesma localidade, eram impossíveis há pouco mais de um ano. "Não tinha como criar vínculo. Faltava médico; ninguém queria vir para cá, na zona rural, a 70 quilômetros", afirma ele, na função desde 2005.

A agente de saúde Iraci Vera dos Santos, de São Francisco do Guaporé (RO), a situação também não era fácil: "É difícil andar sozinho, fazer nosso trabalho sozinho. E a consulta era super rápida porque o médico não tinha tempo para nada", lembra.

"Agora é possível acompanhar as famílias diariamente. Gestantes, diabéticos, crianças, idosos. Hoje acompanhamos hipertensos, acamados. Como é difícil tirar e levar para o postinho quem não pode andar! Por isso a população está adorando."

Iraci disse torcer para os médicos não irem embora tão cedo, já que agora é possível fazer reunião com médicos, enfermeiros, demais agentes e organizar o trabalho. E comemora: "A gente organiza o mês. Não é fácil, mas estamos avançando".

Também agente de saúde, Maria do Carmo Santos Pereira, do município de Nossa Senhora das Dores, no semiárido sergipano, a 72 quilômetros da capital, Aracaju, vê diversas melhorias com a chegada de médicos. "Antes, eles chegavam ao posto às 9h, 9h30, e queriam ir embora ao meio-dia", conta.

"Hoje, o médico vai às casas porque tem de conhecer a família. Acorda às 5h para ir para até a zona rural, muito distante de tudo. A gente chega lá às 6h30 para a ginástica das idosas. Todas estão felizes, vaidosas. Fizeram até desfile. Secaram o cabelo, fizeram maquiagem. Foi muito bonito mesmo". À vontade, brinca: "Espero que os médicos fiquem por muito tempo. Pelo menos até eu me aposentar".

Na mesma cidade há outra certeza: "Foi Deus que colocou o doutor Rodolfo aqui", acredita a sertaneja Maria da Graça Lima, 88 anos. O médico, de acordo com ela, "vai na casa do povo, visita todo mundo, recebe a gente bem". E garante: "Eu vivia doente das 'perna', não conseguia nem abaixar, apanhar nada no chão. Mas graças a Deus, e aos remédios do doutor, estou muito satisfeita. Não sei como vamos ficar se um dia ele se for", diz.

A fala da gente simples guarda semelhança com a de um doutor, o orientador de mestrado e doutorado do Departamento de Medicina Preventiva da Unifesp Elisaldo Carlini. Aos 83 anos, ele rememora os tempos de infância no interior paulista, no pequeno município de Pirajá. Numa infância sem médico, como costuma dizer, teve boqueira, que era queimada, e bronquite, tratada com tatuzinhos de jardim que sua mãe colocava num paninho que ele carregava pendurado no pescoço.

Cinco dias depois, quando morriam e já fediam, eram substituídos por outros vivos. A solitária era cuidada com mastruz com leite. Mordido por um cachorro louco, contou com soro antirrábico, que veio de cidades vizinhas, trazido de trem e depois a cavalo. E teve ainda muita sorte de chegar a tempo a outra cidade maior e conseguir curar o tracoma, doença inflamatória dos olhos, que poderia deixá-lo cego.

"O que vivi há mais de 80 anos ainda é vivido por metade da população brasileira, sobretudo a mais pobre, que vive pelo interior desse país sem assistência. É preciso maior compreensão sobre a grandeza da profissão do médico, que é mais digna quando bem exercida."

Carlini integra a comissão organizadora do simpósio realizado pela Faculdade de Medicina Unifesp, com apoio da Organização Pan-Americana da Saúde, para discutir com estudantes, médicos, agentes comunitários de saúde, gestores municipais e usuários do sistema público os avanços, desafios e as perspectivas a curto, médio e longo prazo do programa federal que já levou 14.462 mil médicos a 3.785 municípios e 34 Distritos Sanitários Indígenas – e que atualmente atende 50 milhões de pessoas.

Outras vertentes do programa são o investimento de R$ 5,6 bilhões para construção, ampliação e reforma de Unidades Básicas de Saúde (UBS), e R$ 1,9 bilhão para construir e ampliar Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). De acordo com o Ministério da Saúde, das 26 mil UBS que tiveram recursos aprovados, 20,6 mil (79,2%) estão em obras ou já foram concluídas, e 363 UPAS, de um total de 943, já foram concluídas.

Também pelo programa há a reestruturação e ampliação da formação médica no país, que até 2017 deverá abrir 11,5 mil novas vagas de graduação em medicina e 12,4 mil vagas de residência médica para formar especialistas, até 2018, em saúde da família. O Ministério da Educação já autorizou a abertura de 4.460 novas vagas na graduação, sendo 1.343 em instituições públicas e 3.117 em faculdades privadas, principalmente em localidades do Norte e Nordeste, com escassez de profissionais.

"Espero que nossos brasileiros estudem mesmo para serem médicos e que enquanto isso possamos continuar esse programa com outros médicos, mesmo quando os de agora forem embora e vierem outros", diz Edite Rodrigues, de São Francisco do Guaporé.

Mais do que um encontro de avaliação da política por coordenadores do programa no Ministério da Saúde e do Ministério da Educação, o encontro foi espaço para que brasileiros de diversas regiões do país, como a dona Edite, pudessem falar sobre a diferença que faz em suas vidas ter um médico para consultar tanto na hora de resolver um problema de saúde como aprender a evitar doenças.

Convidados e trazidos a São Paulo pela comissão organizadora, eles dividiram a mesa de debate com agentes comunitários de saúde e médicos brasileiros e estrangeiros participantes para contar o significado do acesso ao atendimento médico.

Em suas participações, os médicos, mais familiarizados com entrevistas e palestras, falaram principalmente sobre os projetos construídos com as equipes das unidades de saúde para estreitar o vínculo com a população atendida, que, segundo eles, já vêm trazendo resultados positivos.

Entre eles, a confiança da população, que passa agora a procurar mais os centros de saúde e a seguir tanto os tratamentos prescritos como as recomendações para evitar problemas de saúde, como a prática de exercícios físicos e alimentação adequada, com mais cereais, verduras, legumes, frutas, carnes e laticínios frescos, em vez de frituras em excesso, comidas gordurosas e açucaradas – como em geral são os produtos industrializados.
19/02/2015 - Fonte:  RBA - Rede Brasil Atual
Por Cida de Oliveira, da RBA

SINDAS ENTRA NA JUSTIÇA CONTRA PREFEITURA DE TANGARÁ PARA EFETIVAR ACE

Há cerca de 10 anos os agentes de endemias de Tangará-RN exercem a função nos quadros de servidores da Municipalidade, mas agora com a nova gestão, alegaram que eles não estavam efetivos, mesmo existindo lei Municipal que trata do assunto.
No final do ano passado, o Prefeito Municipal enviou a Câmara Municipal, um projeto de lei criando vagas para realização ode concurso para ACE.  
Sabendo do absurdo que a Prefeitura estava cometendo, enviamos um ofício a todos os vereadores, pedindo que eles não aprovassem a lei, justificando que já existem o quantitativo de ACE suportável pelo Município e que eles estavam efetivados.
Como a maioria dos vereadores de tangará comem na mão do Prefeito, não deram ouvidos ao SINDAS e aprovaram a criação de vagas para o concurso, o qual já aconteceu e aguarda finalização para convocação dos aprovados.
No ofício emitido aos vereadores, um dos argumentos que utilizamos foi que se tivesse o concurso e a Justiça garantisse que os atuais agentes não podem ser demitidos, a Prefeitura teria um grande prejuízo, porque os aprovados dentro do número de vagas prevista no concurso, adquiririam o direito líquido e certo de serem nomeados, com isso, a Prefeitura poderá ser obrigada a pagar salário a mais de 20 agentes quando só suporta 12 no máximo.
O que importa é que estamos obtendo êxito no processo que corre na Justiça do Trabalho. A prefeitura para se defender e evitar a que Justiça do Trabalho julgasse a ação, alegou que os agentes eram estatutários, mas o processo foi tão bem feito que não foi aceito o argumento.
Na manhã da última sexta feira, o perito da Justiça do Trabalho compareceu em Tangará, juntamente com advogado do Processo do SINDAS, Dr. Nelber e o Dir. Sérgio, com a finalidade de fazer pericia que irá definir o direito dos ACE receberem o adicional de insalubridade, já que ao longo de mais de 10 anos os ACE não recebem o benefício.
O Perito além de fazer uma inspeção em produtos e matérias utilizados pelos ACE, acompanhou todos em visitas de atividades de campo.

Não temos dúvidas que a Prefeitura será condenada a pagar todos os direitos dos ACE, a assinar a carteira retroativa a data de entrada de cada um, pagar FGTS e adicional de insalubridade e intenção dos últimos 5 anos.
PROCESSO QUE DEUS DARÁ A VITÓRIA
VEJA O OFÍCIO ENVIADO AOS VEREADORES
FOTOS DA ATUAÇÃO DO PERITO DA JUSTIÇA DO TRABALHO EM 20-02-2015

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

PREFEITURA DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE IRÁ PAGAR PISO DOS AGENTES

No ano passado nos reunimos com Prefeito Jaime Calado, para apresentar o SINDAS e reivindicar alguns pontos de pauta de interesse dos ACE e ACS.
Uma das principais reivindicações da categoria é a implantação do piso salarial de R$ 1.014,00, cuja discussão entre SINDAS e Prefeitura ocorre desde o ano passado.
Só agora em 2015 o projeto que estabelece o piso dos agentes será votado na Câmara Municipal de Vereadores de São Gonçalo, garantindo-se o retroativo.
Na tarde desta sexta feira nos reunimos com ACS representantes de várias unidades de saúde e alguns agentes de endemias, para passar a boa notícia sobre o piso e convocá-los para acompanhar a leitura e votação do projeto de lei do piso junto com o SINDAS.
Na reunião com os ACE e ACS tratamos de vários assuntos relacionados a categoria, especialmente sobre as filiações ao SINDAS, já que eles estão saindo do SINDSAÚDE que não pode representá-los.
A reunião contou com a presença de pouco mais de 30 agentes, porque segundo eles, a maioria dos agentes está decepcionada com o ex-sindicato e são desunidos na hora de lutar.
Após a apresentação do SINDAS e feitos os devidos esclarecimentos as dúvidas, todos os presentes se filiaram e garantiram que irão filiar os colegas e trazer todos para próxima reunião que será marcada em breve.
Deixamos claro aos agentes que só iremos atuar a contento em São Gonçalo dependendo do interesse dos próprios agentes, ou seja, se a maioria filiar daremos a mesma atenção dadas aos demais municípios filiados, do contrário, ficarão sempre em segundo plano.
Dissemos a todos que compreendemos a desconfiança o e o descrédito em sindicato por culpa do sindicato que antecedeu o SINDAS, mas deixamos claro, que o SINDAS é só dos agentes e, se eles não investirem e confiarem, vai ficar difícil pra eles, porque não tem quem lute pela categoria dos ACE e ACS a não ser o SINDAS/RN.
No nosso ponto de vista, o mais difícil em SG não será filiar 100% dos agentes, será unir a categoria para possíveis lutas pelos seus direitos e fazer com que voltem a confiar em sindicato.
 Fomos taxativos ao dizer que dessa vez quem estará à frente das lutas é o verdadeiro sindicato da categoria, que não tem atrelamento político partidário e nem usa a categoria para fazer politicagem e nem para carregar bandeira de partido político.

REUNIÃO COM PREFEITO EM 2014

PREFEITO DE SENADOR ELOI DE SOUZA PAGA PISO E RETROATIVO AOS ACE E ACS

Há alguns meses não publicamos matérias sobre pagamento do piso aos agentes de SAÚDE DE Municípios onde o SINDAS atua. O atraso nas matérias se deve ao fato dos agentes receberem o piso e demorarem nos enviar o contracheque.
Dessa vez vimos com atraso, carimbar o Prefeito de Senador Eloi de Souza-RN, que atendendo pedido do SINDAS enviou à Câmara, o projeto de lei do piso proposto pelo SINDAS e, agora em 2015, parcelou o retroativo em 3 vezes.
Temos todo respeito ao atual Prefeito, com o qual negociamos diretamente as reivindicações da categoria, as quais foram atendidas e só temos a agradecer.
No final do ano passado, os agentes inclusive promoveram um almoço de agradecimento ao SINDAS, o que prova que muitos ainda reconhecem e agradecem nosso trabalho.
Nós temos a agradecer a confiança da categoria e ao empenho do Excelentíssimo Prefeito que reconheceu a importância dos agentes e efetivamente pagou o piso tão almejado. Parabéns ao Prefeito que de mãos dadas com sindicato muda a vida de mais uma leva de pais e mães de família.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

MAIS DUAS NEGOCIAÇÕES FINALIZADAS E PISO GARANTIDO EM MAIS DUAS CIDADES DO RN

Está confirmado, a parir desse mês os ACE e ACS dos Municípios de Bom Jesus e Serra Negra passarão a receber o piso salarial de R$ 1.014,00.
A reunião em Bom Jesus ocorreu na tarde do dia 12/02/2015, e após muita discussão se chegou num acordo validado pelos agentes. O piso será pago em fevereiro e o retroativo de alguns meses será pago a partir de abril.
Em Serra Negra, o Prefeito pediu a colaboração da categoria quanto ao retroativo, ou seja,  pediu a categoria para abrir mão do retroativo, mas pagando o piso já esse mês. A escolha ficou a cargo dos próprios agentes, que tomaram a decisão de atender o pedido do Prefeito. Para nós a categoria é soberana, uma vez decido por 100% dos agentes não tínhamos como interferir. 
O Prefeito de Serra Negra decidiu pagar o piso contrariando o parecer da sua assessoria jurídica, que opinou que ele poderia esperar mais tempo e contra a vontade do Secretário de Saúde que é contra pagar o piso dos ACE e ACS. Em conversa com Prefeito, ele nos informou que tomou a decisão após encontro de 60 prefeito, dos quais a maioria já negociou com SINDAS e está pagando o piso dos agentes.
Para nós é gratificante que colegas agentes mudem de vida em mais duas cidades do RN.

SINDAS DENUNCIOU PREFEITURA DE CAICÓ POR ASSÉDIO MORAL A AGENTES DE SAÚDE

Nós do SINDAS cobramos atrás de melhorias salarias e de condições de trabalho, mas não deixamos de lado os casos de assédio moral cometidos contra a categoria. No último dia 05/02/2015, comparecemos ao Município de Caicó, para uma audiência no Ministério Público de Caicó, objeto de uma denúncia feita pelo SINDAS.
Não audiência foram esclarecidos alguns fatos e o Procurador determinou um prazo de 60 dias, para que a Prefeitura apresente provas das prudenciais que foram tomadas contra os servidores que cometeram assédio moral.
Para nós é gratificante adotar medidas come essas, que além de coibir discriminação e assédio moral no meio ambiente de trabalho, serve como exemplo para que outros profissionais tomem medidas contra possíveis agressores.
Em Caicó graças ao SINDAS e a colaboração do Prefeito Roberto Germano, hoje existe uma Lei própria que trata de assédio moral. A lei foi aprovada no ano passado e foi projeto de Lei apresentado pelo Presidente do SINDAS em negociação com Prefeito de Caicó.

É importante que as pessoas leiam a documentação abaixo, porque além de servir para aprimorar o conhecimento sobre o tema, é mais uma prestação de contas das nossas importantes ações na defesa dos nossos queridos agentes.
OFÍCIO DENUNCIADO A PREFEITURA E SMS
ATA DE AUDIÊNCIA NA MPT-CAICÓ

CONFIRA A LEI CONTRA ASSÉDIO MORAL 
CLICANDO

GREVE DOS AGENTES DE SAÚDE DE NATAL ANUNCIADA

Os agentes comunitários de saúde e agentes de endemias de Natal, aprovaram nesta sexta feira(13-02-2015), que após o carnaval irão se reunir novamente para aprovar o indicativo de greve da categoria.
Além da falta de condições de trabalho, a categoria não dispõe de fardamento completo, acumula prejuízos financeiros com o não cumprimento da Lei do Plano de Cargos da Saúde, teve o pagamento do retroativo da gratificação negado pelo Prefeito, que para não pagar alega inconstitucionalidade da Lei Promulgada nº 401/2015, os agentes que trabalham com UBV (fumacê portátil) não dispõe de exames de saúde e nem está sendo pago a insalubridade no percentual devido,  não está sendo garantido aos demais agentes a realização de exames de saúde periódicos(exames de sangue e acompanhamento dermatológico etc.).
Outra questão que incitou a categoria a fazer greve, foi o não pagamento das horas extras trabalhadas no sábado do Dia “D” da campanha de vacinação antirrábica. Além da categoria amargar o desprazer de receber quintinhas podres no dia vacinação, agora após terem trabalho, a Prefeitura protela o pagamento alegando impossibilidade de se criar novas despesas.
A categoria também cobra a nomeação dos aprovados no último concurso, porque tanto os agentes comunitários quanto os de endemias, estão sobrecarregados de trabalho pelo déficit de pessoal que se acumula ao longo dos últimos 10 anos. Natal tem o mesmo número de agentes comunitários e de endemias, desde a criação do programa agentes comunitários de saúde e municipalização do combate a Dengue.
A expectativa do sindicato da categoria, é que dos 1.154 agentes de Natal, 70% adira ao movimento. Com essa adesão vários serviços poderão ser prejudicados nas unidades de saúde, bem como, o trabalho de combate à Dengue e UBV ficarão prejudicados.
Uma das nossas maiores preocupações, além da paralisação nos serviços prestados nas comunidades pelos agentes, é a nova Febre Chikungunya transmitida pelo Aedes Aegypti. Com a paralisação dos agentes de endemias, sem sobre de dúvidas a proliferação de mosquitos aumenta e a população ficará a mercê de duas graves doenças.
Após o carnal, a categoria irá fazer um grande movimento na Frente das Prefeitura de Natal, onde aprovará uma data para deflagração da greve.