sábado, 24 de julho de 2010

PRESIDENTE LULA SERÁ ENFORCADO POLITICAMENTE SE NÃO APROVAR NOSSO PISO NACIONAL


Desde o começo participei das discussões relacionadas  a regulamentação do nosso piso nacional e, em momento algum foi mencionado que o projeto de lei da Senadora Patrícia Saboya não poderia  ser aprovado, pois seria alvo de anulação. Na reta final da regulamentação do nosso piso nacional, veio à tona pela comissão especial e pela Dep. Fátima Bezerra-PT/RN que o PL de Patrícia não seria votado e que a regulamentação depende de um projeto do Pte. Lula. Nesse meio tempo, a desculpa do governo é que os municípios brasileiros precisam ser ouvidos. Daí lhes pergunto: “PORQUE QUE FOI QUE SÓ NA RETA FINAL DA REGULAMENTAÇÃO DO PISO A DEP. FÁTIMA BEZERRA E A COMISSÃO ESPECIAL VIERAM OBSERVAR QUE O PL DE PATRÍCIA SABOYA NÃO PODERIA SER VOTADO E TERIA QUE  SER UM PL DO PRESIDENTE?” “PORQUE  SÓ  AGORA NA RETA FINAL O GOVERNO VEIO COM HISTÓRIAS DE OUVIR  OS MUNICÍPIOS?”. Devido tanta enrolação os municipios ganharam tempo e  vejamos o que a Confederação Nacional dos Municípios (CNM) anda falando na imprensa:
 
BRASÍLIA - A maioria dos 5.565 municípios brasileiros está sem recursos para bancar um rombo estimado em R$ 3 bilhões na contratação, sem concurso público, de 300 mil agentes comunitários de saúde. É o que prevê a Proposta de Emenda Constitucional 63/2009, promulgada no ano passado pelo Congresso Nacional e cuja regulamentação está em análise no Senado.
Uma das propostas prevê piso salarial de R$ 1.020, dos quais R$ 714 seriam custeados pelo governo federal e R$ 306, pelos municípios. As avaliações foram feitas, a pedido do DCI, pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e pela organização não-governamental Transparência Municipal.
"Essa emenda vai gerar um impacto tremendo nas prefeituras. Os deputados não param de aprovar direitos, e o Executivo não para de sancionar. O que eles querem é voto, mas isso está inviabilizando o País", expôs o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski. Segundo ele, a situação pode ficar bem pior: "Se todos os projetos de ajuste de piso salarial para a área da saúde forem aprovados, teremos um rombo de R$ 49 bilhões".
O consultor François Bremaeker, da Transparência Municipal, avaliou que a aprovação dessas propostas fere o pacto federativo. "Isso é uma intromissão na autonomia municipal. É muito fácil fazer cortesia com o chapéu alheio", criticou. Para ele, quem arrecada recursos para a manutenção da saúde é o governo federal. "Os municípios são obrigados a assumir os serviços e não recebem os recursos necessários para tanto."
François ressaltou que os municípios têm por obrigação gastar pelo menos 15% da sua receita tributária e transferência constitucional em saúde, mas acabam comprometendo 23,5% do seu orçamento em média. "O ressarcimento pelo SUS [Sistema Único de Saúde] dos procedimentos médicos é muito abaixo do custo real, o que sobrecarrega seu orçamento", argumentou.
As entidades não confiam no governo porque a União não estaria repassando às prefeituras os recursos prometidos ao piso dos professores que entrou em vigor este ano.

Um comentário:

marli disse...

EU SOU ACS DE ITABAIANA PB SOU FELIZ PELO QUE EU FAÇO E FICAEI AINDA MAIS RECEBENDO UM PISO SALARIAL DIGNO ACREDITO EM DEUS PRIMEIRAMENTE E AINDA ACREDITO EM NOSSO PRESIDENTE SEI QUE UM DIA ELE JA TRBALHOR DURO E RECEBRU TAO POUCO POR ISSO EU SOU BRASILEIRA NAO DESISTO NUMCA UM ABRAÇO E TODA SORTE DO MUNDO PARA TODOS NOS ACS E ACE