sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

AGENTES DE ENDEMIAS DE NATAL DENUNCIAM PÉSSIMAS CONDIÇÕES DE TRABALHO

Agentes de endemias denunciam condições
precárias para trabalhar

Os equipamentos usados no combate ao mosquito Aedes Aegypt, transmissor da dengue, estão sucateados. O início do trabalho deles é com uma reunião rápida. Os supervisores explicam qual é a área do dia e dão avisos. Em seguida eles saem para as visitas.
- Nós fazemos muitas vezes o impossível para fazer um bom trabalho e mostrar à população que temos a boa vontade de trabalhar – diz o agente de saúde Jeová Lima. O transporte de muitos agentes acontece assim: na caçamba da pick-up. Outro detalhe sobre o carro oficial da Prefeitura de Natal preocupa.
- Falta documentação do carro, que nós não temos, e a manutenção deles que é muito precária. Tem muitos problemas no veículo e a gente tem que trabalhar com ele, porque, se não, o serviço de campo não anda – conta o supervisor Pedro Paulo Câmara.
Tudo certo no deslocamento das equipes, hora da primeira abordagem do dia. É onde o Centro de Controle de Zoonozes aponta uma taxa alta de infestação do Aedes Aegypt com pessoas que contraíram a dengue.
Quatro bairros da capital potiguar concentram 40% do número de casos da doença: Quintas, Cidade Nova, Cidade da Esperança e Felipe Camarão. A coincidência é que nessas localidades os moradores relatam problemas com abastecimento de água e saneamento básico.
O morador permite a entrada e recebe bem a equipe. O agente retira da bolsa o material de dia-a-dia. O material está velho e quebrado. Jeová Lima mostra uma trena que deveria ter dois metros, mas, na verdade, está quebrada e só tem um metro. Segundo ele, o Centro de Controle de Zoonoses não tem outra para fornecer aos trabalhadores de campo.
Nos latões de água cheios, por causa do racionamento, olha a situação. Não são larvas não. De acordo com a equipe, esse é o último estágio antes do mosquito começar a voar, a chamada pupa. Em cinco dias, se torna o Aedes Aegypt como a gente já conhece. Seu Elias José de Lima não colocou a tampa de maneira adequada, esse foi o motivo.
- Agora vou lavar os tambores e encher de novo, porque quando chove cria lodo – afirma seu Elias.
De acordo com Cosmo Mariz, agente de endemias, essa casa já deveria ter sido visitada antes. Mas o déficit de pessoal não permite uma frequência adequada.
- Essa visita demora mais de dois meses. Então, isso ajuda para que o mosquito se reproduza cada vez mais no dia-a-dia – conta Mariz.
Um outro problema gera cada vez mais faltas.
- Temos muitos agentes de endemias afastados por causa do contato com o diflubenzuron, que é um InterTV http://in360.globo.com/rn/impressao_noticia.php?id=8166
1 de 2 21/1/2011 17:40
inseticida novo. Esses agentes, às vezes, manipulam o produto de forma equivocada e não tem uma central de mistura, não tem uma central que faça a solução mãe para distribuir no campo – acrescenta Cosmo Mariz.
Secretaria de Saúde admite que não tinha conhecimento da situação. O secretário de Saúde de Natal, Thiago Trindade, concedeu entrevista ao RNTV 1ª edição e explicou como a secretaria vai contornar esses problemas para que a cidade não tenha uma epidemia de dengue.

Um comentário:

edbitter disse...

aqui em vitoria da conquista-ba são os mesmos problemas.desrrespeito com o agente,falta de material e os supervisores enchendo o saco.enquanto não passarmos para PSF. vamos ficar nessa pendenga.