quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Natal: 16 bairros estão vulneráveis à epidemia de dengue - 04/11/2011


Dezesseis bairros de Natal estão muito vulneráveis para os casos de dengue no próximo período chuvoso, em 2012. Os dados são do Boletim Epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde que coloca os bairros de Nossa Senhora da Apresentação, Potengi, Quintas, Guarapes, Felipe Camarão, Cidade Nova, Petrópolis e Mãe Luíza com vulnerabilidade muito alta para a doença; e os bairros Igapó, Pajuçara, Bairro Nordeste, Bom Pastor, Cidade da Esperança, Cidade Alta, Praia do Meio e Areia Preta com vulnerabilidade alta.
A Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap) e a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) buscam medidas para tentar conter essa iminente fragilidade da capital e dos demais municípios do Rio Grande do Norte em 2012, que - segundo o Ministério da Saúde - tende a ser o pior epidemia de dengue da história. O grande risco está na reintrodução de um novo tipo da doença (o tipo 4) e a volta do tipo 1.
Este ano, já foram registrados 26 mil casos e 45 óbitos suspeitos do Estado. "Este ano tivemos a presença de um novo sorotipo, o tipo 4 e a volta do sorotipo 1, que estava há dez anos sem circular no Rio Grande do Norte, o que deixa o Estado em alerta", explicou Juliana Araújo, sub coordenadora de Vigilância Epidemiológica da Sesap.
O combate à doença terá uma ajuda a mais em 2012. No último dia 28 o Ministério da Saúde lançou a Portaria 2.557 que vai destinar 20% a mais do que já é enviado para o trabalho da Vigilância Epidemiológica nos estados. Esse recurso a mais será exclusivamente para o combate à dengue. Anualmente a secretaria recebe R$ 3,5 milhões para o setor, portanto, irá receber em 2012 R$ 700 mil a mais para a dengue. Para tanto, é necessário apresentar o Plano de Contingência até o dia 15 de dezembro, o que está sendo providenciado.
Município
Até maio deste ano a Secretaria Municipal de Saúde enfrentou problemas de contratação de novos agentes de endemias. Em maio, 150 agentes foram contratados por três meses e os contratos foram prorrogados para mais seis meses. Segundo o coordenador de combate a dengue em Natal, Alessandre Medeiros, o município possui atualmente 465 agentes de endemias, o que é suficiente para a visita aos 326 mil imóveis da capital. Para Cristiana Souto, Diretora do Departamento de Vigilância de Saúde de Natal, o maior problema estrutural para o trabalho de combate à dengue é a frota de veículos que está sucateada. Sobre os agentes de endemias, Cristiana informou que no próximo ano espera um concurso público para o preenchimento dos 150 vagas.
Bate-papo - Hênio Lacerda, presidente da Sociedade de Infectologia
Qual a sua opinião sobre o comportamento da dengue em 2012 aqui no RN?
Temos um alto índice de infestação predial, o que indica que muitos municípios do RN estão com índice acima do tolerável, que é de 1% de infestação. Alguns municípios estão com índice de 8 e até 9% de infestação. Temos a circulação de novo sorotipo, o sorotipo 4, temos uma população que estará suscetível a esse novo sorotipo. Resumindo: temos o mosquito, temos pessoas não imunes, temos o vírus, então agora só falta chover. A não ser que o próximo ano seja de seca.
O que pode ser feito para evitar esse quadro?
É necessário tirar as diretrizes do programa de prevenção e controle da dengue do papel e colocar na pauta do dia. Muita coisa fica no papel, não é nem por falta de Lei e nem por falta de orientação. A Organização Mundial de Saúde (OMS) já elaborou um documento há muito tempo. Se isso acontecer conseguiremos minimizar os casos de dengue.

Nenhum comentário: