quarta-feira, 7 de novembro de 2012

MICARLA DE SOUSA, PREFEITA DE NATAL AFASTADA, RECEBIA PROPINA, AFIRMA MP

SEGUNDO COMENTÁRIOS DE JURISTAS  É QUESTÃO DE TEMPO PARA MICARLA E MIGUEL SEREM PRESOS.

Após investigação do Ministério Público Estadual, está mais do que comprovado que a prefeita de Natal afastada, Micarla de Sousa (PV), recebia propina de empresas prestadoras de serviços ou fornecedoras de produtos ao Município, para pagar despesas pessoais da ordem de R$ 136 mil mensais. 


Para o Ministério Público, Micarla de Sousa nunca esteve alheia aos esquemas de desvio de recursos públicos municipais que estavam acontecendo. "Muito pelo contrário, a presença dela em cada decisão deve ser tida como certa e aré mesmo porque o modus operandi por ela utilizado é o de se valer das pessoas por ela estrategicamente colocadas nos principais cargos de seu governo para transmitir e fazer valer as suas decisões, suas vontades, suas necessidades, pura e simplesmente", atestou o órgão ministerial.


A Procuradoria Geral de Justiça assevera, inclusive, que o nível de comprometimento do bem público é tamanho que, os interesses públicos e privados de Micarla de Sousa se entrelaçam. "A própria vida pessoal e financeira da prefeita Micarla de Sousa, de suas empresas e de seus familiares, visto que esta se utiliza do dinheiro público advindo das tratativas obscuras e da mão-de-obra de alguns de seus asseclas (servidores públicos) para solucionar questões estritamente particulares suas", defendeu o procurador geral. Micarla de Sousa, segundo a acusação, consumia mais de R$ 130 mil mensais em despesas pessoais. Parte dos pagamentos destas dívidas eram financiados através do recebimento de propinas.

Conforme acusação da Procuradoria Geral de Justiça, o ex-secretário municipal de Saúde, Thiago Barbosa Trindade, "desencadeou uma série de contratações milionárias de entidades supostamente sem fins lucrativos". Entretanto, o modelo de gestão inovador proposto pelo então auxiliar de Micarla de Sousa, "ardilosamente serviu de pano de fundo para a estruturação do esquema de desvio de verbas públicas" na secretaria pela qual respondia. Em um "jogo de cartas marcadas", Thiago Trindade, Alexandre Magno e Micarla de Sousa, ainda segundo o MPE, escolheram as organizações sociais que prestaram serviços ao Município, "a preços estratosféricos".

Nenhum comentário: