terça-feira, 10 de abril de 2012

A GREVE ESTÁ SUPENSA ESTRATEGICAMENTE ATÉ ATÉ SEGUNDA FEIRA

Decidimos em assembléia suspender o movimento até a segunda feira dia 16/04/2012, para colocar a Prefeitura contra a parede, pois a gestão vem dizendo na mídia que não negocia com servidores e greve e que antes de termos a resposta que eles dariam deflagram greve. 

Com essa suspensão estratégica da greve, veremos quem é radical ou quem de fato mente para os servidores e para opinião pública. 
PERGUNTA: Os servidores recuaram por medo?
RESPOSTA: Jamais, os covarde abandonam a luta os corajosos e guerreiros é que  as vezes recuam um passo para vencer a guerra mais adiante.
ACOMPANHE AS FOTOS DO MOVIMENTO

VEJA MATÉRIA DA TRIBUNA DO NORTE
SERVIDORES MUNICIPAIS SUSPENDEM PARALISAÇÃO

Publicação: 10 de Abril de 2012 às 00:00H

Os funcionários públicos municipais suspenderam a greve por uma semana, conforme decisão unânime tomada em assembléia geral, na manhã de ontem, no acampamento montado na praça 7 de Setembro.  O movimento foi suspenso 11 dias depois de sua deflagração, ocorrida em 29 de março.


Presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Natal (Sinsenat), Soraya Godeiro, disse que a disposição da categoria é de não radicalizar e voltar a discutir a manutenção da data-base da negociação coletiva de trabalho, prevista para março, diante do fato de que a prefeitura já anunciou que não  negocia com o funcionalismo em greve.

Soraya Godeiro disse que os servidores voltarão a se reunir às 8 horas da próxima segunda-feira, dia 16, quando a categoria espera avaliar uma proposta da prefeitura de Natal, principalmente,  quanto a data-base do funcionalismo municipal, pois, sem isso, "os salários ficarão congelados" por um ano até uma nova negociação trabalhista em 2013.


Os servidores pedem um  reajuste salarial de, no mínimo, 6,08%, referente a reposição da inflação entre março de 2011 e fevereiro de 2012, e a atualização das matrizes salariais do Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos (PCCV).

Outras reivindicações dos servidores municipais dizem respeito a implantação de adicionais, envio dos projetos de lei da SEMUT e dos Técnicos de Saúde à Câmara Municipal do Natal, além de fornecimento de fardas para os guardas municipais, vale-transporte, pagamento de 1/3 de férias em atraso e concessão de paridade de adicionais de função, como o da banda sinfônica do município

A direção do Sinsenat também informou que sua assessoria jurídica está elaborando,a defesa para entrar com recurso no Tribunal de Justiça por intermédio do advogado Carlos Gondim, contra a liminar concedida em primeira instância ao município declarando a ilegalidade da greve e ainda determinando a volta ao trabalho dos guardas municipais que estivessem aderindo ao movimento.

No mesmo encontro realizado pelo Sinsenat, na praça 7 de Setembro, no Centro, cerca de 150 agentes comunitários e endemias se reuniram para deflagrar a greve decidida em assembléia da categoria, na semana passada. De acordo com o Secretário do Sindicato dos Agentes de Saúde do Rio Grande do Norte (Sindas/RN) Cosmo Mariz, os agentes também vão paralisar o movimento grevista assim como os demais funcionários públicos municipais.

"Caso não haja uma resposta positiva por parte da prefeitura, deflagraremos definitivamente a greve por tempo indeterminado na próxima segunda (16)", destacou Cosmo Mariz, na tarde de ontem. Dos 380 agentes de endemias que trabalham no combate ao mosquito Aedes aegypti cerca de 100 não estão fazendo a visita domiciliar por falta de instrumentos de trabalho, como botas e uniforme, informou o secretário do Sindas/RN. "Esse é um dos pontos que a categoria exige melhora imediata", completou.

A reportagem tentou ouvir  durante a manhã e tarde de ontem a Prefeitura de Natal para saber a posição do órgão e as propostas da Prefeitura para a categoria. De acordo com o secretário-chefe do Gabinete Civil, Heráclito Noé, que atendeu a reportagem às 18h de ontem, por motivo de compromissos da prefeita Micarla de Sousa ele não conseguiu conversar com ela a respeito da suspensão da greve. 

Nenhum comentário: